quinta-feira, 13 de julho de 2017

A Minha Rima

A minha rima aparece do nada,
Espontânea tal como a fome,
 Comendo palavras fumadas,
Num poema de um pão enorme.
**
É uma trinca atrás da outra,
Deglutindo sem mastigar,
Com versos nos cantos da boca,
Ficando até secar.
**
Uma baba espessa de letras,
Que escorre lentamente,
Como doce de amoras pretas
Num pote de um dia quente.
**
Escrever é sentir fome,
No estômago um ronco voraz,
Comer com uma vontade enorme,
Poemas de frente para trás.
**
Cristina Ivens Duarte-13/07/2017

Sem comentários: