sábado, 28 de janeiro de 2017

O que o amor faz!

Quando o verdadeiro amor me chamou, eu segui-o, 
embora os seus caminhos fossem duros e escarpados,
nas suas asas me envolvi e entreguei, ainda que 
a sua espada escondida entre as penas, me pudessem ferir.
......
Acreditei sempre nele, embora a sua voz tivesse desmantelado 
por vezes os meus sonhos, tal como um vento norte, devasta um jardim.
Da mesma maneira que me coroou, ele crucificou-me e fez-me crescer,
estando sempre presente para me podar.
.....
Ele se elevou à minha altura, e acariciou os meus tenros ramos, que
estremeceram ao sol.
Também desceu às minhas raízes para sacudi-las, e prende-las à terra.
Como feixes de trigo, ele apertou-me, e malhou-me até ficar despida.
.....
Passou-me pela joeira, para me libertar das cascas, moeu-me até eu ficar branca,
e amassou-me até me conseguir dobrar. Depois, partilhou comigo o seu fogo, 
e tornou-me no tão sagrado pão, banquete de Deus. 

Cristina Maria Ivens.-10/11/2016

Sem comentários: