domingo, 25 de setembro de 2016

No silêncio Do Meu Peito

No silêncio do meu peito, queria dizer-te muitas coisas:
Queria dizer-te as vezes que a tua imagem, de primavera
luminosa,  atravessou os espaços sombrios da minha alma.
Que nela vagueias noite após noite, assombrando os meus pensamentos
Queria dizer.te em várias línguas, vários beijos, e acima de tudo
(o que é mais difícil) na nossa própria língua, o quanto te amo.
De como é bom acordar todas as manhãs, e que o dia encerra
sabendo que ele és tu.
Que os teus olhos falam, com o seu preto brilhante e tão expressivo,
erguem-se entre mim e o céu da meia noite.
Invejo até o céu cintilante que te cobre, e as estrelas serenas que podem
ver-te e alegrar-se.
E muitas vezes na minha solidão, adormeço contigo e contigo acordo.
Contudo nunca estás a meu lado;
Encho os meus braços com o que de ti me recordo mas, fico com
o coração despedaçado.
Sinto os teus olhos fitos nos meus, mesmo quando estás longe de mim,
e os meus lábios tocam nos teus, durante horas e horas sem fim.
Eu penso e falo, sobre coisas de ti, para manter meu espírito em paz,
mas a minha memória não se aparta de ti.
Escondo o meu segredo dos olhos do mundo,
penso e digo o contrário do que queria,
suave é o vento que sopra do céu profundo,
que só murmura histórias de Cristina Maria.

Cristina Maria Ivens.



Sem comentários: