quarta-feira, 28 de setembro de 2016

Consoante o tempo

Ora choras, oras ris de felicidade
no verão, outono ou inverno
o tempo sabe de toda verdade
o quão a tua vida é um inferno.

Ocultas o que de ti tens mais belo
finges ser tudo o que não és...
por vezes o teu sol é amarelo
um azul inconstante como as marés.

Suspiras sonhos como luas
brilhos de luzes fluorescentes
estrelas que não são tuas
desejos com olhos carentes.

Tu és a mudança do tempo
moinho que gira sozinho
que sente a lufada do vento
que chora a perda de um filho.

 E ao tempo tu não enganas
o tempo dá conta de ti...
essa felicidade que tu emanas
é tristeza que nunca vi.

Cristina Maria Ivens

Sem comentários: