sábado, 20 de agosto de 2016

Na Morada Dos Sentimentos

Logo bem cedo, pelo alvor
a lareira se acende, com a força do vento
as borboletas acordam, fazem amor
na minha morada do sentimento.
Um cheiro a poesia se espalha no ar
poisando nos meus beirais de faiança
alegando que estou a confeccionar
pezinhos de fé e de esperança.
Nas janelas embaciadas
desenho alguns corações
fazem lembrar, que estão constipadas
com a febre das emoções.
Toda a ternura que me envolve
são meros cheiros almiscarados
um acre a madeira, de uma casa pobre
o cheiro do poder, de sermos abraçados.

Cristina Ivens Duarte-20/08/2016



Sem comentários: