sábado, 30 de julho de 2016

Quando o meu amor partiu

Quando o meu amor partiu
senti as minhas mãos vazias
tão leves...que um imenso frio 
preencheu todos os meus dias.

 Levou com ele o meu chão
cortou ambas as minhas pernas
caminho agora com as suas mãos
e os seus olhos...as minhas lanternas.

A minha face vestida de luto
perdeu o jeito de sorrir...
o meu eu bastante oculto
sente o desejo de partir.

Cristina Maria Afonso Ivens Duarte
30/07/2016

Sem comentários: