quinta-feira, 5 de maio de 2016

O que vale a pena

O que vale pena meu amor, é o cheiro a capim,
o odor do campo, as flores
com o seu aroma a jasmim e elas
a olharem para a nossa cumplicidade.
Aqui apaixonei-me facilmente por ti, o ar contagiou-me,
os sentidos exaltaram-se, a natureza murmurou-me,
"ele vai ser teu.."
A cor não desvanece, a monotonia é oculta,
o amarelo aquece, o vermelho encandeia,
não há sentimento de culpa, o azul é lua cheia.
O verde constante lima as arestas de qualquer
limalha que possa haver nos nossos sonhos.
Foi o ar do campo que nos uniu,
duas mãos dadas de forte aperto, que até hoje
as árvores baloiçam com o nosso passear.
Não se instala o cansaço do nosso apego,
é esta a nossa forma de amar,
cultivando a natureza, abrindo rego a rego,
até hoje nunca sentimos, a necessidade de gritar.

Cristina Maria Afonso Ivens Duarte

Sem comentários: