sexta-feira, 6 de maio de 2016

Fogo Ardente

Pensando estar num inferno
a labareda queimava mas não ardia
era o teu corpo encostado ao meu
era o cheiro da tua ousadia.
Consumia-me lentamente
até entrar em devaneio
eram pingos de suor quente
provocado pelos teus seios.
Já meio cego pelo fumo
molhei os meus olhos na tua boca
com um forte sabor a abrunho
gemias que nem uma louca.
Embora parecendo extinto
ainda pairavam cinzas escaldantes
que devorei como um faminto
as tuas ancas estonteantes.
Vorazmente te possui
deixando o incêndio apagado
só mais tarde é que me apercebi
a tua pele com um aspecto empolado.
Queimei-te com o meu amor
fiquei cego de desejo
não dei conta do calor
que pode provocar um beijo.

Cristina Maria Afonso Ivens Duarte










Sem comentários: