sábado, 21 de maio de 2016

Completamente nua

Completamente nua
Nem uma gota de esperança
ficou da colheita de Maio
apenas lágrimas de orvalho
e um caule pertencente ao passado.
A luz incentiva a fotossíntese
e a metamorfose esconde-se
sob o olhar da planície que
envergonhada borbulha olhares
cheios de mistério e vazio.
Desmistifico todo o sentimento
de solidão, e abraço o gosto
de se estar só, por alguns momentos
apenas com as nossas memórias.
Dar a mão ao vento e acenar
ao tempo, para que pare e escute
o som do silencio.
Aqui até a calmaria tem voz
que grita com gestos mudos
em direcção a nós.
Voam sombras e olhares
ciscos que interrompem o pestanejar
da admiração do infinito.
Cristina Maria afonso Ivens Duarte

Sem comentários: