segunda-feira, 4 de abril de 2016

Eu e tu


Só tu e eu é que sabemos
a áurea que paira em nós
não falamos nem escrevemos
é um adorno que não tem voz.
Miminho aqui, miminho ali
toques doces e olhares fatais
é tão lírico que nunca vi
tanto encanto que quero mais.
Perco-me no tempo contigo
não sei se é dia ou noite
sujeito-me a qualquer castigo
só quero que o amor me açoite.
Bate-me com a tua vergonha
marca-me com teu batom
sufoca-me com a tua fronha
manchada de cor marrom.
Confunde-me, baralha-me
mistura-me bem as cores
por fim, embala-me
anestesia-me de todas as dores.
Cristina Maria Afonso Ivens Duarte

Sem comentários: