terça-feira, 26 de abril de 2016

A toda a hora, a todo o instante

A toda hora, a todo instante
procuro um sinal do teu ser
que me ensinou a ser amante
sapiente de todo o prazer.
Envia-me um sinal apenas
uma espuma de mar salgado
assim sei e ficarei serena
que o teu amor não me foi roubado.
As gaivotas não me dizem nada
só anunciam tempestade no mar
só vejo a praia isolada
e nenhum barco a navegar.
O azul que carrego em mim
é a cor da nossa paixão
mandei vir um arco íris assim
para tu me veres e dares a mão.
Cristina Maria Afonso Ivens Duarte

Sem comentários: