segunda-feira, 28 de março de 2016

Introspecção

Introspecção
Fecho os olhos em momentos líricos
escritos a carvão numa antiga sebenta
guardados na mente como discos rígidos
saboreio o meu corpo, como se fosse água benta.
Analiso cada gota, cada glóbulo vermelho
a minha meninice a ficar para trás
revejo no meu plasma, um grande espelho
as perdas de sangue, a amnésia que faz.
Esta mania da introspecção
dá-me uma vontade de folhear o passado
que às vezes deixo cair o ego no chão
como se o meu diário fosse assim tão pesado.
Recordo a sorrir, entre videiras e espinhos
todos os labirintos das minhas entranhas
sei de cor como um escanção de vinhos
todas as minhas artes, manias e manhas.
Cristina Ivens Duarte

Sem comentários: