sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

A abelha solitária

Sou uma abelha que se perdeu
não há pólen na minha pele
pareço a pobreza a pedir esmola
por uma palavra a saber a mel.

Ando perdida da colmeia
perdi o rasto da rainha
se uma aranha me apanha na teia
sou uma abelha na sua cozinha.

Queria tanto ter um favo de mel
para encostar a minha boca
disfarçar o sabor a fel
e beijar até ficar rouca.

Sinto-me tão só e perdida
de palavras a saber a amor
abraços com gosto a canela
e beijos com cheiro a flor.

Queria encontrar uma vespa
que soubesse sonhar comigo
mais vale um amor voador
do que mendigar um amigo.

Cristina Ivens Duarte












Sem comentários: