quarta-feira, 13 de janeiro de 2016

Juízo final

Juízo final
Na incerteza da minha alma
me pergunto aonde estou eu
nesta vida de vidros falsos
tanta incerteza me deu.
Saio de mim, procuro o meu ser
dou-me conta que estou a morrer
vejo uma mistura de várias cores
é um bando de aves, não são flores.
Quem sou eu afinal
no meio de tanto pardal
que voam em direcção
ao juízo final.
Fui eu que já passei o céu
vou para o livro da vida eterna
uma nova terra e novos céus.
Cristina Ivens Duarte

Sem comentários: